26 de março de 2010

Ônibus lotado


As pessoas que diariamente se utilizam do transporte coletivo para se locomoverem aos seus locais de trabalho, em especial os ônibus, se deparam com inúmeras situações pra lá de embaraçosas cotidianamente. Algumas dessas histórias banais na vida da maioria da população quando contadas rendem boas risadas, ao mesmo tempo em que demonstram o drama que é depender do transporte público no nosso país, principalmente em regiões metropolitanas como Rio e São Paulo. Na Baixada Santista não é diferente principalmente nos horários de pico, onde os veículos transitam com um número de passageiros acima da sua lotação máxima permitida.
Com muita sorte o seu transtorno só irá começar quando você ultrapassar a catraca, pois para alguns começa antes da catraca ao pagar ao motorista-cobrador e se deparar que não veio com dinheiro trocado. Muitos motoristas nessa situação deixam o passageiro descer e entrar pela porta de trás, quando não, ficam com o dinheiro e deixam o usuário passar e pede para aguardar até ter troco para ele.
Quem consegue ultrapassar a catraca com o ônibus cheio se depara com um verdadeiro paredão humano, onde mesmo assim muitos tentam chegar até o fundo do ônibus distribuindo muitas vezes várias pisadas nos calcanhares de terceiros, para no fim descobrirem que o fundo do ônibus já se encontrava lotado. O curioso do paredão humano que se forma entre a proximidade da catraca e o fundo do ônibus, é que as pessoas ficam tão concentradas que nem notam quando o fundo do ônibus esvazia e permanecem no mesmo lugar desde o início só saindo para sentar num lugar que vagou ou quando está se aproximando do seu ponto de descida e continuam dificultando a passagem. Há também aquelas situações desconfortáveis quando as pessoas são obrigadas (ou não) a ficaram atrás das outras por causa do aperto, onde muitos se aproveitam pra tirar a chamada casquinha. Ônibus lotado ninguém merece, mas como a obrigação de chegar no horário nos respectivos serviços nos condena a ficar a mercê das empresas de transporte coletivo, só nos resta sonhar com dias melhores.

Um comentário:

  1. Duas realidades em nosso Brasil em termos de transporte coletivo Facoro,primeiro a falta de educação e até de caráter de certas pessoas que enquanto estão sentadas deixam gestantes,mães com criança de colo e até idosos em pé,uma vergonha. E a desfaçatez das grandes empresas de transporte viário não é de hoje,não se preocupando nem um pouco com a segurança e conforto do seu usuário. Isso é Brasil,por um lado algumas pessoas más educadas e por outro empresas de ônibus que não tem a cultura e discernimento de trabalharem de forma correta.

    ResponderExcluir