27 de janeiro de 2012

Teatro

         
      Os espetáculos do 1º FESTKAOS têm agradado bastante o público que tem comparecido e ontem não foi diferente, apesar do grupo que deveria se apresentar ter que ser substituído, o monólogo “Borboletas de Sol de Asas Magoadas” surpreendeu a todos desde o início com a performance da atriz paulistana Evelyn Ligocki que contou a rotina na vida de um travesti. Todos que não conheciam a peça ficaram surpresos no final ao descobrirem que se tratava de uma atriz e não um travesti de verdade ou um ator no papel de travesti, tamanha a perfeição da apresentação. Hoje á a vez dos “Os Inadequados” do Grupo Teatro da Curva de São Paulo que tem início às 20 h. O Teatro do Kaos fica na Praça Coronel Joaquim Montenegro, 34 no Largo do Sapo.

25 de janeiro de 2012

Quem ama o feio bonito lhe parece

                O upgrade que a administração faz na cidade não vai no ritmo que se desejava e nem na quantidade, mas em alguns locais as obras são de encher os olhos, como no Parque Anilinas e no trecho da Avenida 9 de Abril que abrange a região central. Deus queira que as obras se estendam a toda 9 de Abril incluindo a Tancredo Neves, pois não dá pra engolir mais serviços feitos pela metade nessa cidade rica de população pobre. A parte que mais impressiona nas obras da nossa querida 9 de Abril são as calçadas, pois até que enfim alguém resolveu tirar os chamados caixões das calçadas da região central, que foram instalados em governos passados, sem falar na buraqueira.
                 Estaria Cubatão se tornando mais bela, ou estaríamos diante de mais uma maquiagem eleitoral¿ Sempre bati na tecla de quê a cirurgia plástica que a cidade necessita dificilmente aconteceria em apenas quatro anos, mas a própria prefeita se mostrou resistente a tal afirmação, num pronunciamento durante uma Gestão Transparente e ainda disse que só a reforma do Parque Anilinas já valeria todo o seu mandato. Claro que não dá pra fazer como politiqueiros de plantão que sempre dão ênfase ao lado negativo das coisas e deixam em segundo plano tudo de bom que foi feito. Aliás em conversas com alguns munícipes envolvidos na política fiquei com a certeza de quê pra eles o que vale mais é arrumar um emprego ou um cargo na administração do quê as melhorias para cidade.
                  A cidade seria apenas um detalhe, só voto se me derem um emprego seria a filosofia vigente, mas não podemos julgar ninguém, mesmo por quê não me encontro na situação de muitos, pois quem tem família para sustentar sabe bem onde o calo aperta. Outra coisa que não podemos deixar de lado são os altos valores das obras que em sua grande maioria são de responsabilidade da empresa TUMI, detalhes que muitas vezes passam despercebidos para o cidadão comum. Sei que o dinheiro originário de emendas parlamentares ajuda muito, mas não podemos esquecer que continua sendo dinheiro público, ou seja, o nosso dinheiro e por isso tem que ser bem empregado. Que a beleza da 9 de Abril se estenda a toda a cidade, mas que os cidadãos de bem não se deixem encantar apenas pela beleza.

16 de janeiro de 2012

Carnaval X Festa da Banana


                Os ânimos andaram acirrados nos últimos dias por conta da data da Festa da Banana ter caído no mesmo dia do desfile de blocos “Banho da Dona Dora”, que é dia 5 de fevereiro. Conclusão: mais uma vez a data da Festa da Banana que foi criada para comemorar o aniversário do Bairro da Vila Nova que é 4 de fevereiro foi desrespeitada. Mesmo com esse revés a diretoria da Sociedade de Melhoramentos do Bairro da Vila Nova gostou do resultado, por assim ter mais tempo para planejar a festa que a cada ano vai ficando cada vez mais da sua responsabilidade. Cogitou-se a possibilidade da festa acontecer no dia 4 ou dia 26 de fevereiro, para ao menos ser realizada no mês de aniversário do bairro, mas a diretoria a qual faço parte como diretor de Comunicação, preferiu mudar para 11/03. Dia 4 de fevereiro não seria possível porque a festa começa a ser montada com um dia de antecedência, ou seja, teria que começar na sexta-feira já que dia 04/02 é um sábado, o que implicaria na interdição da Avenida Nações Unidas, que é uma importante via para o trânsito da cidade, sem falar no transtorno aos comerciantes locais, o que deixaria a sociedade de melhoramentos com uma imagem ruim.
                Diante das ameaças sofridas pela minha pessoa e da discriminação racial feita por parte de um dos integrantes da Liga dos Blocos em plena Secretaria de Cultura, sinceramente considerei desnecessárias , pois tudo poderia ser resolvido pelo diálogo como acabou ocorrendo. Só espero que futuramente a data da Festa da Banana seja respeitada e que isso seja decidido ainda esse ano, numa reunião entre Sociedade de Melhoramentos, Secretaria de Cultura e pessoas ligadas ao Carnaval, pois sei que nesse último existem pessoas que sabem usar o bom senso.
                  Não sou contra o Carnaval como alguns andaram falando, mas não sou a favor da Prefeitura dar dinheiro para os blocos e vou continuar até o fim defendendo essa tese, seja como membro do Conselho de Cultura, como jornalista ou como cidadão. E salve o reinado de Momo!

15 de janeiro de 2012

“Mesmo que você saiba voar: Use o capacete”

                  Faz um tempão que não consigo sentar para escrever um pequeno texto sequer para postar aqui, mas hoje me bateu a inspiração. Começo falando do sumiço de uma grande parte dos skatistas da pista do Parque Anilinas, fruto de medidas mais rígidas tomadas pela administração obrigando o uso dos equipamentos de segurança. Sempre fui favorável à essa medida, pois os inúmeros acidentes que ocorreram na nova pista poderiam ter sido fatais. O engraçado é que alguns skatistas fingem usar o capacete, principal acessório de proteção, pois simplesmente não os prendem usando como se fosse um chapéu, o que torna a sua eficácia praticamente nula. Os responsáveis deveriam se ater pra isso também, pois o uso correto do equipamento pode salvar vidas. A frase do título peguei emprestado do banner colocado no parque para alertar os skatistas.

Libertem Angye Gaona



Por: Samuel Trigueiros - PCB

               Está presa a poeta e jornalista Angye Gaona. O Estado colombiano quer calá-la para manter a obscuridade genocida. Angye Gaona, poetisa e comunicadora, foi presa por pensar. O fato só reafirma que a Colômbia é um país em que o Estado converteu o ato de pensar em crime. Angye Gaona é uma mulher criativa e comprometida socialmente, sempre ativa no desenvolvimento e fomento da cultura. Fez parte do comitê organizador do conhecido Festival Internacional de Poesia de Medellín, cuja qualidade é reflexo do trabalho e dos sonhos tecidos entre os povos. Se faz urgente a mobilização internacional por sua libertação e, também, pela apuração de denúncias de que o Estado colombiano mantém encarceradas mais de 7.500 pessoas pelo "delito de opinião". Estamos ante uma verdadeira ditadura camuflada!
              A situação é insuportável: cada dia detém, assassinam ou desaparecem com um opositor político, estudante, sindicalista, sociólogo, camponês... A repressão exercida pelo Estado colombiano contra o povo, com o objetivo de calar suas reivindicações sociais, é brutal. É preciso que o mundo se mobilize em solidariedade! É necessário que o mundo conheça esta realidade e entenda que suas dimensões ultrapassam todo o Universo!

POEMAS DE ANGYE GAONA




CUANDO LA GUERRA

Vas a mañana o a morir

Eunice Odio

No provoques al león

que reposa en su campo.

¿Qué podría implicarte

su gesto lento,

su verdad calma?

Si no puedes resistir esa,

tu inclinación de más,

y buscas un león que sirva

su propia cabeza en tu mesa

y sólo un par de garras,

las tuyas,

admites en tierra,

nada podrá guarecerte de esa,

tu intención de más,

y alguna trampa,

algún águila mecánica traerás

para cazar al león.

Reina el león

aunque lo enjaules

y lo lleves lejos de sí

a rugir a tus circos,

a esconder sus garras en tus fábricas,

a desatar la ira de las bestias del Sol

que atesoras en las bóvedas.

Reina el león y reina la espada,

único arbusto que crece silvestre

en las tierras del león,

que no te será dado exterminar

aun si ordenases manar fuego

a tu garganta.


HERMANO MAYOR

A las naciones indígenas de América

A danzar viene el Sol a la piel,

dorada por Dios.

A danzar,

tañen los dientes de oro,

brincan los suelos

en las uñas del toro.

Corre por los caminos,

por las arterias.

Sangre viva,

sangre del cuerpo pasado.

Acoge mi sangre;

entra a circular por tu nombre.

Soy una mezcla,

soy un pan,

soy mestizo.

Tus antepasados y tus hijos

lanzan piedras contra mí.

Al alcanzarme las piedras

se unen a mi cuerpo,

se convierten en panes.

Toma este pan,

toma esta vida,

toma la Tierra

que es tuya.

Tierra donde parieron todas nuestras madres,

donde vivos bebemos leche de la estrella.

A danzar, viene el Sol

con tus dientes de oro.

Brinca en la piel que llevas

dorada por los dioses.

Toma esta sangre;

es lo que sé sagrado

para un pacto.

Sangre antigua es.

Viene de dos ríos,

dos corrientes,

quizá tres o cuatro afluentes.

Es un río silencioso,

espera su hora para bramar.

La hora cuando se junten los ríos,

a cielo abierto bajo el Sol,

en secreto ánimo de danzar

y ser uno con los dioses,

en un pacto alto

que se llame Tierra,

que se llama Madre,

que nos llame hermanos.


BARCA VIVA

Suelta las amarras, alma mía

leva las velas que es forzoso partir.

No subiremos carga alguna.

Sólo el nombre y no debe pesar.

No repares en lo que se queda,

será sólo estrago en la corriente.

Zarparemos ahora

pues, si no es así, ¿entonces cuándo?

ésta es la aurora única.

Y, si el cielo quiere,

que el viento nos sea esquivo.

Será sólo, entonces,

el soplo del corazón

para alcanzar la herida a traspasar,

la que llamea adelante.

No temas,

no quema.

Somos una barca viva

que nace de la propia propulsión

como las aguas.


PEQUEÑO ARDID

Acuérdate de tu guardián

René Daumal

Guárdame de mí,

gran silencio leve que habitas

más allá de la sombra,

entre los tumultos del cerebro

y las mentiras sabias.

Guárdame de mi viento en contra

pues la brisa ha dejado de ser

mensajera tuya de pureza.

Qué traerás, qué ofrecerás,

más acá de las sombras,

en un tiempo de desapariciones,

cuando vuelven las cabezas separadas

a preguntarse descreídas

si no dejaron

algún secreto bajo la lengua.

Te escucho, oh Guardián,

pero no alcanzo tu clara diadema de sortilegios acechantes,

pues no perteneces a este lado de la sombra,

donde acaso te tome por un borracho en mitad de la calle.


              Angye Gaona. Bucaramanga, Colômbia, 1980. Pertenceu ao comitê organizador do Festival Internacional de Poesia de Medellín. No ano de 2001, coordenou a Exposição Internacional de Poesia Experimental, realizada no marco do XI Festival Internacional de Poesia de Medellín. Os poemas aqui apresentados pertencem ao livro NACIMIENTO VOLÁTIL (Nascimento Volátil), recentemente publicado.

Tradução: Maria Fernanda M. Scelza

Fonte: http://www.diarioliberdade.org/






10 de janeiro de 2012

Primeiro FestKaos acontece na segunda quinzena de janeiro

              



O Teatro do Kaos estará realizando o seu primeiro festival de teatro a partir do dia 20 desse mês  e vai até o dia 29. O 1º FESTKAOS será composto pelas 8 melhores peças escolhidas numa seleção que teve a participação de grupos de todo o país designada pela Comissão do Festival que farão parte da Mostra Competitiva. O Juri do Festival será composto por Renata Soffredini; Plínio Soares (ator cubatense atualmente atuando em Malhação como Mestre Kung Fu [foto abaixo]) e Moises Miastkwosky.






Cada grupo selecionado recebe R$ 2.000,00 para participar do Festival e concorre a seguinte premiação:

1º. lugar: R$ 3.000,00

2º. lugar: R$ 2.000,00

3º. lugar: R$ 1.000,00

Além das seguintes premiações:

• Melhor Ator;
• Melhor Ator Coadjuvante;
• Melhor Atriz;
• Melhor Atriz Coadjuvante;
• Melhor Direção;
• Melhor Figurino;
• Melhor Cenografia;
• Melhor Iluminação;
• Melhor Texto;
. Melhor Maquiagem

Fonte: Lourimar Vieira - Idealizador/Cordenador do Festival

www.teatrodokaos.org

Tel. (13) 9124-7470

Programação:


Festival de Teatro do Kaos - FESTKAOS


20/01 – 20h – Solenidade de Abertura do Festival

20h30minh – A Falecida Vila Esperança (ensaio aberto) - 16 anos

Teatro do Kaos – Direção Nelson Baskerville – Cubatão/SP.

21h30min – Coquetel, Show Musical e Abertura da Exposição.


21/01 – 20h - O Juiz de Paz – 12 anos

Fios Cia. Teatral – Direção: Renato Neves - Nova Iguaçu/RJ


22/01 – 20h – Sintoma – 12 anos

Cia. Silvana Abreu – Direção: Silvana Abreu – São Paulo/SP


23/01 – 20h - Limpe Todo o Sangue Antes Que Manche o Carpete – 16 anos

Cia. dos Inquietos - Direção: Eric Lenate - São Paulo/SP


24/01 –20h - Santiago Morto – 12 anos

Grupo Estação Teatro - Direção; Fernanda Bellinati e Wallyson Mota – São Paulo/SP


25/01 – 20h- A Visita da Velha Senhora – 14 anos

Teatro Universitário de Maringá - Direção: Mateus Moscheta - Maringá/PR


26/01 – 20h - Historias Que Eu Não Inventei – 14 anos

Direção: Gê Martú - São Paulo/SP


27/01 – 20h – Os Inadequados – 14 anos

Teatro da Curva - Direção: Ralph Maizza – São Paulo/SP


28/01 – 20h – Sinfonia Sonho – 16 anos

Teatro Inominável - Direção: Diogo Liberano – Rio de Janeiro/RJ


29/01 – 20h – Cerimônia de Premiação

20h30min – Coquetel e Show Musical

Serviço:
 
1º FESTKAOS
 
Realização: Teatro do Kaos
Projeto realizado com o apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria da Cultura.
Apoio: Prefeitura Municipal de Cubatão.
Teatro do Kaos - Praça Cel. Joaquim Montenegro, 34.
Largo do Sapo - Cubatão/SP – http://www.teatrodokaos.org/

ENTRADA FRANCA