29 de junho de 2011

Presidente do Santos Futebol Clube faz visita de cortesia à Câmara

             O presidente do Santos Futebol Clube Luís Álvaro esteve ontem na Câmara de Cubatão durante a sessão e foi bastante cumprimentado. A presença do presidente santista após a grande conquista do time, que foi a Copa Libertadores da América, fez com que o presidente da Câmara, Donizete Tavares, corintiano assumido, interrompesse a sessão por 5 minutos para que os vereadores pudessem falar com o ilustre visitante. Luís Álvaro depois de tirar fotos ao lado de torcedores foi cumprimentado por todos os vereadores, mas o principal alvo das brincadeiras do público que assistia à sessão era o fanático torcedor corintiano, o vereador Dinho, que disse risonhamente ao ilustre visitante: “Eu quero parabenizá-lo, mas não ao Santos”.

27 de junho de 2011

Time que tá ganhando não se mexe


                 Ainda em ritmo de conquista da Libertadores, os santistas já voltam suas atenções para o mundial interclubes, deixando um pouco de lado até a disputa do brasileiro, devido aos desfalques por força da convocação da seleção brasileira, não podendo assim contar com o time titular. A preocupação com o mundial interclubes colocará frente a frente o time de Neymar contra o Barcelona de Leonel Messi, numa espécie de Brasil X Argentina particular, o eu é um prato cheio para a mídia. Os dirigentes santistas já começam a pensar em reforços para derrotar o time catalão, mas devagar com o andor, pois há um episódio na história do futebol que serve de alerta para toda a nação santista: o Cruzeiro de Paulo Autuori campeão da Libertadores de 1997 e derrotado no mundial interclubes. Naquele ano o time do Cruzeiro que ganhou a Libertadores foi modificado para encarar o Borussia Dortmund da Alemanha na disputa do mundial, chegaram jogadores como Bebeto, Donizete Pantera..., e o final da história todos já sabem: Cuzeiro 0 x 2 Borussia. Ninguém pode garantir que o Cruzeiro mesmo com a equipe original que levantou o título da Libertadores venceria o Borussia, mas existe uma verdade no futebol que um time entrosado pode vencer um time de estrelas recém-formado.
               O Santos Campeão da Libertadores é uma equipe que comparada ao Barcelona não seria considerada favorita, mesmo que o principal problema do time que é a falta de pontaria do agora jogador do Genova da Itália, Zé Eduardo ou Zé Love tenha sido solucionado com a vinda de Borges. Acredito que fora isso e mais alguns reforços, já seriam suficientes para um Santos forte para enfrentar o Barcelona, porque o time espanhol tem como grande trunfo, não só o segundo melhor jogador do mundo na atualidade, mas um entrosamento de fazer inveja, capaz de golear o poderoso Real Madrid de José Mourinho. A fórmula para tentar vencer o Barcelona é a do próprio time espanhol, que é manter a base, coisa que o time da Vila Belmiro tem feito nos últimos tempos e não fazer como o Cruzeiro no passado.

12 de junho de 2011

Dois anos da derrubada do diploma de jornalista: nada a comemorar

 

                No próximo dia 15 de junho (quarta-feira), representantes dos Sindicatos dos Jornalistas no Brasil participam, em Brasília, do ato nacional pela aprovação imediata das PECs do Diploma - que tramitam na Câmara e no Senado. A atividade é organizada pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), com o objetivo marcar os dois anos da derrubada do diploma pelo Supremo Tribunal Federal.
                O fim do diploma de Jornalismo, obtido através do lobby dos empresários de Comunicação junto ao ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, tem apresentado resultados nefastos para a categoria. Na prática, a equivocada decisão concedeu aos donos dos veículos de comunicação o direito de decidir quem pode e quem não pode ser jornalista no Brasil. Acabando com a meritocracia e instituindo de vez o apadrinhamento e o compadrio. Aumentando o controle e diminuindo o salário do profissional de comunicação.
               Sem diploma específico, os jornalistas passaram a enfrentar um mercado de trabalho ainda mais precarizado, com concessão de registros profissionais indiscriminados pelo Ministério do Trabalho, aviltando as condições de trabalho e salário da categoria. Só quem perde é o cidadão, com a queda na independência e qualidade das informações que recebe através dos diferentes veículos.
Vergonha paulista
               Na última caravana, realizada no 1º de junho (data de comemoração do Dia da Imprensa), que também reuniu representantes do Sindicato dos Jornalistas de vários estados para fazer o corpo-a-corpo com parlamentares, a delegação paulista entrou em contato os três senadores eleitos por São Paulo. Eduardo Suplicy (PT) foi o único que disse ser a favor a aprovação da PEC. Aloysio Nunes Ferreira (PSDB) declarou posição contrária e Marta Suplicy (PT) estava indecisa.
              "É fundamental que todos os jornalistas pressionem os senadores em quem eles votaram. É necessário concentrar nossos esforços para que a decisão da queda do diploma pelo STF seja revertida, em especial neste período em que se completam dois anos de um dos maiores ataques à profissão e ao jornalismo," salienta o presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, José Augusto Camargo (Guto).
                O Sindicato orienta que os jornalistas enviem e-mails aos senadores paulistas, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB/SP)( aloysionunes.ferreira@senador.gov.br)- que declarou voto contrário e Marta Suplicy (PT/SP) ( martasuplicy@senadora.gov.br) que ainda não manifestou posição, para que  apoiem a PEC do diploma, tornando obrigatório possuí-lo para o exercício da profissão. O terceiro senador de São Paulo, Eduardo Suplicy (PT/SP), já declarou voto favorárel.
Fonte: WWW.ojornlaista.com.br

8 de junho de 2011

Airton Sena, Michael Jackson e Ronaldo...fenômenos que deixam saudades

              Ronaldo dá adeus pela segunda vez esse ano, agora pela seleção brasileira, pela qual participou de três Copas do Mundo, sendo que na de 1994 não chegou a atuar. Na de 1998 foi a da polêmica da convulsão antes da final contra a França e a de 2002 foi a que consagrou o craque jogando ao lado de Rivaldo. Gols muitos gols e um talento precoce seguido de contusões fizeram de Ronaldo Nazário um fenômeno de superação. A sua vontade de jogar futebol e todas as alegrias que o eterno camisa 9 e maior artilheiro na história das copas proporcionou, nos faz lembrar de outro ídolo brasileiro, Airton Sena, que assim como o fenômeno foi ao limite na prática do esporte que escolheu como profissão. Na prática da arte de jogar futebol poderíamos dizer que foi quase um Michael Jackson. Valeu fenômeno!