30 de julho de 2011

Sindicato dos Jornalistas interrompe negociações com patrões

                Sem respeito, sem negociação. Esta foi a mensagem que o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo emitiu para os representantes patronais do Interior, na manhã desta quinta-feira, dia 28 de julho, durante novas rodadas de negociações. O Sindicato apresentou nova proposta para Capital e interrompeu a negociação no Interior em protesto à demissão do dirigente sindical Carlos Eduardo Luccas Castro, do Jornal de Piracicaba, ocorrida na semana passada.Durante a rodada, os diretores entregaram aos representantes dos jornais de Bauru, Jundiaí e Campinas, entre outros, carta solicitando a reintegração do dirigente ao seu posto para retomar a negociação da campanha salarial. Na última quarta-feira, 27 de julho, o Sindicato realizou manifestação pública no centro da cidade de Piracicaba para protestar contra a demissão do sindicalista.
                 Em 2011, para a campanha salarial do Interior o Sindicato criou o Plano de Mobilização com objetivo de pressionar avanços na negociação com os patrões. Diretores estão visitando as redações para falar sobre pauta de reivindicações e para apurar os problemas enfrentados no dia-a-dia dos profissionais. Até o momento, já foram visitadas as redações das cidades de Jundiaí, Piracicaba, Santos, Ribeirão Preto, Bauru e São José do Rio Preto. Os empresários do Interior ofereceram reajuste de 7% no piso salarial, o que elevaria seu valor a R$ 1.704,51 por 5 horas de trabalho e índice de reajuste de 6,5% para os demais itens.

                                                      Negociação na Capital

              O Sindicato dos Jornalistas também informou que o plebiscito realizado na categoria rejeitou a última proposta patronal de reajuste de 6,5% para os salários até R$ 10 mil e 5,5% para quem ganha acima deste valor - INPC do período de 6,44%, com o piso passando a ser de R$ 2.066,10 para jornada de 5 horas de trabalho. Na ocasião, o Sindicato aceitou todas as cláusulas sociais e reiterou a necessidade de aumento real e o fim da divisão do reajuste em duas faixas. Para o presidente do Sindicato Profissionais no Estado de São Paulo, José Augusto Camargo (Guto), o avanço está na unificação do reajuste para todas as faixas e, principalmente, na incorporação de aumento real nos salários - até então ignorado pelo patronato.
             "No ano passado, conquistamos aumento 0,5%, portanto não podemos retroceder e aceitar uma proposta sem aumento real algum. Agora, nossa luta além da manutenção de reajuste com aumento real é elevar o índice conquistado em 2010", explica o presidente do Sindicato, José Augusto Camargo (Guto). A entidade patronal ficou de analisar a reivindicação solicitada pelo Sindicato e apresentar sua resposta na próxima semana.




18 de julho de 2011

Orçamento Participativo a piada pronta

               Planejar para melhor gastar o dinheiro público essa é a idéia central do Orçamento Participativo, tendo a participação popular como o ponto alto. O comparecimento da população aos eventos para discutir onde deve ser empregado o dinheiro do orçamento do ano que vem, tem sido a grande dificuldade para os organizadores, pois para quem acompanha há algum tempo percebe-se que as figuras presentes são quase sempre as mesmas. Pra piorar os responsáveis pela elaboração da agenda acharam de marcar a reunião para um sábado à noite e o que é pior: com shows do Arraial da Prefeitura a todo vapor.
               Outro agravante que tornou o Orçamento participativo uma verdadeira piada pronta é que muitas propostas para o orçamento desse ano sugeridas em 2010, não saíram do papel. Quem se encorajou em participar das prévias acabou discutindo propostas que a atual administração já está cansada de saber, como é o caso da novela chamada UBS da Vila Nova ou PAMOs se assim desejarem. Cabe a sugestão de se criar a Conferência do Orçamento Participativo, para que a população possa cobrar o que já havia sido programado, pois do jeito que tá é uma verdadeira piada pronta e bem sem raça.

14 de julho de 2011

Júlio César cai tarde e toma gol de Caicedo

           A vitória da seleção brasileira de futebol sobre a fraca seleção equatoriana foi um ótimo resultado, pois deu a classificação ao time canarinho como primeiro do seu grupo com 5 pontos ganhos. Além do bom resultado serviu para o ataque titular desencantar e em grande estilo com 2 gols de Alexandre Pato e 2 da estrela Neymar. Se oatque foi uma maravilha, mesmo contra uma equipe limitada como a do Equador, o goleiro brasileiro deixou a desejar com falhas defensáveis que colocou em xeque a sua titulariedade. Porém a sua moral segue em alta com o técnico Mano Menezes, que também não é unanimidade no seu cargo, mas a quem foi dada a missão de renovar o selecionado brasileiro que irá representar o país na Copa do Mundo do Brasil em 2014.
            Como não estamos só nessa epopéia de provar que o futebol sulamericano é ainda um dos melhores do mundo, a anfitriã Argentina também não teve um começo fácil, amargando também dois empates contra 2 equipes teoricamente fáceis. A partir da segunda fase começa outro campeonato, como já dissera o craque Leonel Messi, e tanto brasil quanto Argentina terão dois adversários dificílimos pela frente, respectivamente Paraguai e Uruguai. Só espero que o convívio do goleiro Júlio César com o Pato e o Ganso não habitue a ficar com as penas do frango.

12 de julho de 2011

Denúncia de nepotismo provoca demissão de jornalista


O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo divulgou Nota de Repúdio pela demissão do repórter de política, Ricardo Filho, da Folha Metropolitana e Metrô News, ocorrida na última quinta-feira, 7 de julho, após denuncia de nepotismo na Secretaria do Estado de Energia.
O Sindicato já enviou carta à direção do jornal solicitando a revisão da demissão do jornalista por entender que um veículo de comunicação não pode submeter sua independência editorial às "vontades ou conveniências" políticas de quem quer que seja.
Abaixo a íntegra da manifestação do Sindicato:
O livre exercício profissional e a ética jornalística
            O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo vem por meio desta, protestar contra a demissão do repórter Ricardo Filho, da Folha Metropolitana e Metrô News. O motivo, já tornado público, de que sua demissão ocorreu a pedido do deputado Carlos Roberto (PSDB) é inadmissível.
Submeter a independência editorial de um veículo de comunicação às "vontades ou conveniências" políticas de quem quer que seja é uma prática incompatível com a democracia e um atentado à liberdade de imprensa.
Em vista do exposto, manifestamos nossa solidariedade ao jornalista Ricardo Filho e solicitamos em nome do livre exercício profissional e da ética jornalística a revisão de sua demissão.
Atenciosamente,

Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo




           

7 de julho de 2011

Arena não e incinerador sim?

                A possibilidade de se construir um novo estádio para o Santos Futebol Clube em terras cubatenses tem causado muito frisson entre os que são solidários a tradicional Vila Belmiro. A falta de um local disponível com a dimensão necessária na cidade de Santos para o empreendimento tornou a área em Cubatão a melhor alternativa, devido a proximidade com a própria Santos e a capital. O curioso é quando se questiona a colocação de um incinerador para o lixo da região metropolitana, muitos apontam Cubatão como o lugar ideal, mesmo que signifique um prejuízo à população e à imagem da cidade. Então por quê Cubatão não pode se credenciar para abrigar o novo estádio do Santos Futebol Clube ? São situações como essas que fica nítido que falta muito para que a Baixada se torne realmente uma região metropolitana, e que muitos só querem saber de prejudicar Cubatão e como diria o velho ditado: pimenta no dos outros é refresco.